Luto Infantil Parte II

12:54:00


Olá Meus Amores!

Como vocês tem passado? Estamos vivendo momentos muito difíceis na nossa vida. E você já reparou que quando a gente começa a conversar mais  esses momentos parecem amenizar? Por isso a futura psicóloga Aline Brito vem concretizar um assunto que ela começou na semana passada, se você ainda não leu você pode clicar AQUI.  



Olá, vamos continuar o nosso assunto? É delicado como citado anteriormente, mas só quem viveu a morte
de um ente querido com seus filhos sabem o quão delicado é esse processo. Então a informação continua
sendo muito bom, bora lá!
Geralmente a morte de um avô é frequentemente o primeiro encontro de uma criança com a perda de vidas
e o sofrimento humano. Se seus filhos perderam um avô, você pode explicar que a maioria das pessoas
não morrem até ficarem muito velhas, para amenizar os medos que eles têm de que você ou eles possam
morrer em seguida. Se o parente que morreu era uma pessoa mais jovem, como tia ou tio, explique que
eles tiveram uma doença (ou acidente) que geralmente não tira a vida de pessoas mais jovens.
Para muitas crianças, especialmente crianças pequenas, a morte de um animal de estimação em família
pode significar a perda de um amigo ao longo da vida. Também pode ser o primeiro encontro pessoal do
seu filho com a morte. Seja aberto e honesto sobre o incidente se a morte acontecer inesperadamente. Se o
seu animal de estimação está sofrendo de uma doença que exige a sua eutanásia, assegure ao seu filho
que seu veterinário fez tudo o que pode, mas que ele estava muito doente para se recuperar. Evite frases
potencialmente vagas e confusas, como "largar". As crianças que disseram que o animal foi "colocado para
dormir" podem desenvolver um medo de ir dormir.
E quando a perda é um pai ou mãe como proceder? Este é um evento muito mais difícil e traumático para
uma criança de qualquer idade compreender e lidar. Escolha um momento em que sinta que pode
compartilhar as notícias sem se sentir fora de controle de suas emoções. Explique a morte usando palavras
apropriadas para o desenvolvimento e garanta que as crianças saibam que elas ainda serão cuidadas. No
caso da morte de um dos pais, não importa a idade da criança, o aconselhamento profissional geralmente é
uma boa ideia.
Mas devo levá-lo ao funeral? Funerais, vigílias e serviços comemorativos são uma parte importante do
processo de luto e uma maneira de dizer adeus à pessoa que morreu. Mas quando se trata de uma criança
comparecer ao funeral de um ente querido, não há resposta certa ou errada. Uma criança nunca deve ser
forçada a comparecer a um funeral. Se ele indicar que quer ir, deve ser encorajado a fazê-lo.
Certifique-se de preparar seu filho para o que ele verá. Que ele saiba que as pessoas podem estar vestidas
com cores escuras e que ficarão muito tristes e algumas poderão estar chorando, por exemplo. Explique se
haverá um caixão que contenha o corpo e outros detalhes importantes.
Embora seu primeiro impulso possa ser proteger e confortar seus filhos, é crucial que você procure ajuda
para seu próprio sofrimento. Se você é pai ou mãe de um filho em luto, uma das melhores maneiras de
ajudar é garantir que você esteja se cuidando também.
Encontre boas fontes de suporte. Pesquisas mostram que o desempenho de uma criança após a morte está
relacionado ao desempenho dos adultos em sua vida. Isso não significa esconder a dor do seu filho. Pelo
contrário, significa garantir que você tenha pessoas e atividades em sua vida que proporcionem conforto. Se
você precisar de ajuda ou de algum tempo para fazer uma pausa e clarear a cabeça, priorize pedir.
Ao acessar o suporte, você modela para seus filhos maneiras de cuidar de si mesmos e assegura a eles
que terá a energia e a presença para estar lá para eles. Esteja preparado para aceitar ajuda de amigos,
parentes e possivelmente de profissionais de saúde mental.

Cuidem se e até a próxima semana!




BEIJO!BEIJO!



You Might Also Like

0 comentários

SUBSCRIBE NEWSLETTER

Get an email of every new post! We'll never share your address.